Nachtcafe

Sunday, August 27, 2006

Hamburgo e St. Pauli

Com os estudos e trabalhos ocupando a agenda nas proximas semanas, decidimos ir a Hamburgo no sábado. O primeiro grupo saiu logo pela manha; aqueles que ainda estavam se recuperando do dia anterior viajaram a tarde. Sabia decisão a de ir no segundo grupo, visto o que teriamos pelas proximas horas...A segunda maior cidade da Alemanha, com cerca de 2,5 milhoes de habitantes, fica a pouco mais de 1h de trem. Tambem abriga o maior porto do pais e o segundo maior da Europa, depois de Roterda, na Holanda, o que contribui para a diversidade e o carater cosmopolita do local.

Chegamos as 17h e, depois de um breve passeio de ferry, paramos para um cafe a beira do rio Elba. Antes do jantar em uma pizzaria no simpatico bairro de Altonaer, ainda fizemos hora em pub local. O cigarro em lugares fechados e algo com que nao da para acostumar, ainda mais por aqui onde o habito de fumar encontra-se mais arraigado do que em outros lugares.

ASP em Hamburgo


No ferry boat, navegando pelo rio Elba

O restante da noite passamos em St. Pauli, o impressionante centro da vida noturna em Hamburgo. As ruas e avenidas repletas de bar lembram uma Vila Madalena em escala ampliada, muito maior do que o Village, de Nova York, por exemplo. Em St. Pauli tambem encotramos uma mini-versao do “Red Lights district” de Amsterda. Nessa area mulheres nao sao permitidas, mas a Veronika, bravamente juntou-se a nos no rapido giro pela regiao, com suas vitrines e “atracoes”, nao sem deixar de ser hostilizada pelas profissionais de plantão.

Finalmente, seguindo a tradição local, terminamos a noitada no Fischmarket, o mercado de peixes local que abre todos os domingos. La gastamos nossas ultimas energias assistindo a uma apresentacao de tiozinhos que tocavam rock dos anos 70, tanto canções internacionais conhecidas quanto musicas alemas que animavam a plateia, em boa parte formada por gente sexagenaria. E que disposicao!

A volta foi tranquila. Pegamos o trem pontualmente as 9h20, horario alemao, e num piscar de olhos - literalmente :) - ja estavamos casa.

Museums Nacht

Centro de eventos no final do Kieler Fjord

Na sexta-feira, 25/8, aconteceu o “Museums Nacht” em Kiel, uma maratona de atividades culturais que acontece todos os anos. Durante a “Noite dos Museus”, diversas apresentacoes, workshops e mostras especiais estao disponíveis ao publico em toda a cidade. Lembra bastante a Semana de Arte que organizavamos na Poli.

Como iria passar parte do fim-de-semana fora, inicialmente havia planejado ficar em casa para adiantar os trabalhos. Mas nao deu para resistir. No começo da noite, apesar da leve chuva que caia, assisti a um excelente grupo de rock, com destaque para a “Janis Joplin” local. Comigo estavam o Jose, e Christian - nao o aniversariante, mas outro chara tambem chamado de “1860”, pelo seu entusiasmo por um tradicional clube de futebol alemao atualmente na segunda divisao da Bundesliga.

1860” acabou voltando mais cedo enquanto o Jose e eu fomos a festa de encerramento que aconteceu na Stadtgalerie, La encontramos a Malwina e a Pia, outra colega alema do ASP, e alguns estagiarios do Kiel Institute.

O local abrigava uma exposicao de fotografias de artistas brasileiros e o tema da festa era o Brasil. Foi uma grata surpresa ouvir a uma bela interpretacao de musicas de bossa nova, antes que o DJ animasse o evento com musicas brasileiras, alternadas com os hits latinos que fazem sucesso mundo afora.

E o que era para ser uma noite tranquila terminou as 3h da manha, depois que pedalamos, ainda sob a chuva, de volta ao Haus Weltclub.

Tuesday, August 22, 2006

Na falta do PCC...

Estacao de trem em Kiel

Se Sao Paulo tem o PCC, vez por outra a tranquilidade aqui tambem e quebrada por eventos inesperados. Nesta semana foi anunciada a descoberta de uma tentativa frustrada de explosao de um trem na Alemanha. A acao teria sido organizada por um terrorista estudante universitario em Kiel. Vejam a noticia que saiu hoje no "New York Times":

Germans Eye Network Behind Train Bomb Suspects

By MARK LANDLER and SOUAD MEKHENNET
Published: August 22, 2006

FRANKFURT, Aug. 22 — A top German security official said today that two Lebanese men suspected of planting bombs on two German trains might have had support from a network of Islamic extremists here and in Lebanon.

“There might be a structure of helpers and supporters in Lebanon and Germany,” August Hanning, the secretary of state for the Interior Ministry, said in an interview. “We are still investigating this.”

Mr. Hanning said the bombs, which had been stuffed into suitcases but failed to explode, were professionally made and suggested a methodically planned attack rather than a spur-of-the- moment scheme.

“We don’t think that this was a spontaneous act because you can’t make bombs like this from one day to the next,” he said.

The comments by Mr. Hanning, a former head of Germany’s federal intelligence agency, underscore why this case is viewed as the gravest terrorist threat in Germany since 2001, when militant Islamic students living in Hamburg laid the plan to hijack commercial airliners in the United States.

The bombing plot has rattled Germans, depriving them of a sense of relative insulation from terrorism and prompting a debate over the adequacy of the government’s antiterrorism measures.

Today, German authorities identified a 20-year-old Lebanese man, Jihad Hamad, as the second suspect in the failed plot. But Mr. Hamad appears to have fled the country, Mr. Hanning said.

He lived most recently in Cologne where, on July 31, video surveillance cameras recorded him and a 21-year-old Lebanese accomplice boarding trains, lugging suitcases with propane-gas explosives.

On Saturday, police arrested the other man, identified as Youssef Mohammed el-Hajdib, in the northern city of Kiel. They credited a tip from Lebanon’s military intelligence agency, which intercepted a panicked phone call he made to his family there after video images of him were broadcast here.

The suspect has said little to authorities so far, and Mr. Hanning was reluctant to speculate on his motives. He did note that the timing of the attempted bombing, which took place late last month, coincided with the fighting in Lebanon.

Today, the police arrested a young man in Kiel who is a friend of Youssef Mohammed el-Hajdib. Investigators are trying to determine the extent of the support network for the would-be bombers.

The main suspects, Mr. Hanning said, grew up in Lebanon in what he described as an “extremist milieu.” Authorities believe Youssef Mohammed el-Hajdib may have links to Hizb ut-Tahrir, a radical Islamic group banned in Germany, though the group denies he is a member.

German authorities are also investigating whether he visited the Imam Ali Mosque in Hamburg, believed to be a gathering place for supporters of Hezbollah.

Both suspects lived in Germany for some time before the attempted attacks. Mr. Hanning said it was not clear whether they moved here with a plan to carry out an attack or were radicalized later.

Although the explosive devices were homemade, Mr. Hanning said they showed considerable expertise. “The bombs were professionally made,” he said. “It was just good fortune that the detonators didn’t work.”

The possible Hamburg connection carries an echo of the Sept. 11 attacks, which prompted criticism that the German authorities did not act aggressively enough against terrorist activity in their midst. Several of the hijackers in the 2001 attacks lived together in Hamburg, where their conspiracy took shape.

In the wake of this plot, the interior minister, Wolfgang Schäuble, has called for the expansion of video surveillance of train stations and other public places, and the creation of an antiterrorist database — something Germany has resisted because of concerns about privacy.

Fim de um ciclo

Foto do grupo (ao fundo, a marina em frente ao Kiel Institute)

Hoje fiz a prova final do curso do Corsetti. O exame foi bastante dificil, nao so pela complexidade do programa mas tambem pela quantidade de material visto em tao pouco tempo. Foram duas semanas de aulas com carga equivalente a um semestre academico.

Mas nem tudo foram estudos nestes ultimos dias. Na sexta passada sai para jantar com alguns dos alunos que vieram para ficar apenas duas semanas. Foi uma noite agradavel, com boa conversa no belo restaurante de um clube de remo, a pouco metros do Kiel Institute.

Tambem demos uma pausa nos livros para comemorar o aniversario do Christian. Ou melhor, de um deles, ja que sao tres "homonimos" na classe. A festa surpresa, organizada pela Malwina, a representante polonesa da turma, teve direito a bolo e velas.

Ate a proxima segunda-feira teremos um periodo de relativa tranquilidade, apenas com alguns seminarios para frequentar pelas manhas. Vou aproveitar para finalizar a traducao de um trabalho que escrevi com o meu ex-chefe, Marcos Jank, presidente do ICONE e professor da FEA para submeter a uma conferencia sobre integracao comercial entre paises emergentes e industializados. Como ninguem e de ferro, devo passar o final de semana com o pessoal em Hamburgo. Ate porque, nao teremos tantas oportunidades de lazer ate o final de outubro.

Sunday, August 13, 2006

O inicio do progama

Os dois primeiros dias foram dedicados a uma rapida revisao de matematica economica com o professor Lehment - Harmen, como prefere ser chamado - coordenador do ASP. O curso propriamente dito comecou na segunda semana, com as aulas de Macreconomia de Economias Abertas, com as aulas do Prof. Giancarlo Corsetti, do European University Institute de Florenca e que esteve em Yale por muitos anos. Sao duas semanas com aulas das 9h30 as 13h30. O curso e bastante intensivo e nao e incomum estudar ate altas horas da madrugada.

Corsetti e um dos principais especialistas no estudo de desequilibros globais e transmissao de choques de produtividade e seus efeitos sobre as contas nacionais. Depois de uma breve discussao sobre temas como os problemas de deficit na conta corrente dos EUA, o acumulo de reservas internacionais nas economias emergentes e a globalizacao financeira, mergulhamos de vez nos modelos economicos. Apesar da experiencia em outras aguas, espero nao me afogar desta vez... :)

De maneira simples, a ideia geral de um modelo economico e tentar representar a realidade por meio de equacoes matematicas. No presente contexto, pode ser utilizado para tentar responder questoes importantes "quem se beneficia com um aumento de produtividade nos EUA?", "qual o efeito da desvalorizacao sobre a producao e as exportacoes de um pais" e por ai vai.

O curso do prof. Corsetti e bastante avancado e introduz as principais discussoes academicas no contexto da "Nova Economia das Economias Abertas", abordagem corrente da economia internacional sucessora das teorias que, entre outras coisas, deram o premio nobel a Robert Mundell, em 1999.

Um parentese: Mundell, de quem fui aluno em Columbia, e considerado o "pai do Euro". No meio academico ele e principalmente conhecido pela co-autoria do famoso modelo "Mundell-Fleming" (embora ambos tenham trabalhado separadamente), que utiliza o framework macroeconomico keynesiano para explicar o funcionamento da economia aberta, caracterizada pelas trocas comerciais e movimentacao de capitais. No contexto Mundell-Fleming as variaveis eram tidas como estaticas, ao passo que na abordagem contemporanea, baseada em principios microeconomicos, o papel das expectativas (racionais) tem um papel fundamental no comportamento economico. Por exemplo, nos modelos atuais, se acredito que o real vai se desvalorizar no futuro, vou buscar comprar dolares, o que acabara impactando a cotacao no presente. Alem disso, a abordagem corrente diferencia mudancas temporarias e permanentes nos precos relativos das exportacoes e importacoes (termos de troca), o que nao acontecia anteriormente.

Ainda assim, a reverencia a contribuicao de Mundell e reconhecida ate hoje. No ano passado o proprio Kiel Institute conferiu o Global Economic Prize ao decano. Nao e para menos. Como escreveu Maurice Obstfeld, de Berkeley, ele proprio um dos expoentes na "Nova Economia das Economias Abertas",

"Por meio de uma rara combinacao de poder analitico e 'visao' Schumpeteriana, Mundell extraiu de suas formulacoes matematicas licoes importantes que mudaram permanentemente a maneira como pensamos sobre a economia aberta".

Voltando a Corsetti. Como bom italiano, ele e bastante animado e, como nao poderia deixar de ser, sempre se entusiasma quando fala de seus modelos. Em suas proprias palavras, foi um antropologo em uma "vida passada", antes de se dedicar a economia. Chegou a escrever artigos sobre a Amazonia, tendo inclusive morado um ano por la. E nao e que fala portugues com sotaque brasileiro?! :)

O primeiro fim de semana

Aproveitei o primeiro final de semana para explorar a cidade com meus novos amigos. Alem das competicoes de iatismo, houve diversas apresentacoes paralelas ao evento, algumas de otima qualidade, outras... Uma palavra que aprendi foi "schlage", ou qualquer coisa parecida, que denota um estilo popular de musica musica pop do final dos anos 70 e comeco dos anos 80.

Competicao de Iatismo em Kiel

Alias, por enquanto tem dado para se virar sem o alemao no dia a dia. Algumas vezes acabamos pedindo ajuda para coisas basicas como preencher formulario para obtencao de seguro saude, por exemplo. Outro dia tive de comprar um adaptador para o plug do computador porque as tomadas daqui sao diferentes. Mais uma vez tive de "recorrer aos universitarios" para busca-lo em sites de materiais eletricos na internet. Que saudades do Submarino! :)

Com Veronika (Eslovaquia) e Jose (Peru)

Saturday, August 12, 2006

A primeira semana

Depois de uma escala de 3 dias em NY, cheguei ao aeroporto de Hamburgo as 23h. A viagem foi tranquila, fora os 50 kg de bagagem, a troca de aeroporto em Londres, a espera de 12h...

Cheguei ao HW quase a 1h da manha. Por um momento achei que ia dormir ao relento; mas logo encontrei a chave que o zelador tinha deixado em um envelope na entrada principal. Coincidentemente, na mesma hora chegaram meus colegas do ASP. O primeiro contato foi muito bom e os dias seguintes so fizeram por confirmar aquela impressao inicial.

A primeira semana foi dedicada as questoes burocraticas como ir a prefeitura para obter registro de residencia, abrir conta no banco, acessar ao sistema etc. Em praticamente todos os lugares fui muito bem recebido. Ao contrario do esperado, todos falam otimo ingles e sempre se mostram bastante receptivos.

Alias, ao menos por enquanto, o estereotipo que tinha do povo local ainda nao se confirmou. Sao sempre muito simpaticos e atenciosos, ainda que num primeiro contato por vezes parecam um pouco formais para os padroes latinos.

O evento mais importante da semana aconteceu na sexta: um amigo alemao viu no jornal o anuncio da venda de bicicletas usadas. As bicicletas sao extremamente uteis porque a cidade toda tem ciclovias. Alem disso, o onibus e caro (2 euros por viagem) e nao tem nenhum supermercado perto do HW. Apesar do investimento relativamente alto (170 euros), fiquei muito feliz com a compra.

Em frente a prefeitura, com a minha "poderosa"


Haus Weltclub (HW)

O Haus Weltclub (HW) e uma residencia de estudantes de pos-graduacao e jovens pesquisadores. A maioria dos participantes do Advanced Studies Program (ASP) mora aqui, o que facilita a integracao. Em geral os quartos sao bastante espacosos, ao menos comparados com o que tinha em NY. Os banheiros e cozinhas sao compartilhados. Hans Geiger, fisico talvez mais conhecido pelo medidor de radiacao que leval o seu nome, morou aqui entre 1925 e 1929.

Haus Weltclub

O HW, assim como o Kiel Institute, fica em frente a uma magnifica baia, o "Kieler Fiord", que liga o mar Baltico ao interior do continente. A cidade e famosa pela pratica da vela oceanica e nas duas vezes em que a Alemanha organizou as Olimpiadas (1936 e 1972) , as competicoes ocorreram a poucos metros daqui.


Vista da janela do HW

Kiel Institute for World Economics (IfW)

A biblioteca e o Kiel Institute

O Kiel Institute for World Economics - Institute fur Weltwirtschaft (IfW) em alemao - e o principal centro de estudos de economia internacional da Alemanha e um dos maiores de toda a Europa. Fundado em 1914, o instituto e uma organizacao independente ligada a Universidade de Kiel. O IfW tambem e responsavel pela Biblioteca Federal de Economia e Ciencias Sociais da Alemanha, a maior do mundo especializada nesses assuntos, com mais de 2,6 milhoes de livros.

Uma breve descricao do Kiel Institute extraida do site segue abaixo:

"The Kiel Institute is an international center for research in global economic affairs, economic policy consulting, economic education and documentation. The Institute engages especially in creating solutions to urgent problems in global economic affairs. On basis of its research, the Institute advices decision-makers in policy, business, and society and informs the broader public about important developments in international economic policy".

"As a portal to research in global economic affairs, the Kiel Institute has established a network of International Research Fellows that supports the worldwide awareness of the Institute’s activities and gives additional research impulses in form of scientific advice, joint research, and teaching stays in Kiel. The Institute lays a special focus on economic education and has the world’s largest library for economics and social science".

Advanced Studies Program (ASP)

Prof. Corsetti e participantes do ASP

Durante o mestrado, acabei me interessando principalmente pela economia politica ("political economy") das relacoes internacionais, em particular por temas relacionados ao comercio internacional. Por isso, apos quase um ano no Instituto de Estudo do Comercio e Negociacoes Internacionais (ICONE), decidi continuar me especializando no assunto.

O "Advanced Studies Program in International Economic Policy" do Kiel Institute for World Economics e um programa de 10 meses composto por cursos intensivos, seminarios e periodos de pesquisa. As aulas sao dadas por alguns dos principais especialistas em areas diversas como desenvolvimento, comercio, financas etc, provenientes dos grandes centros de estudos dedicados a esses temas.

O curso e composto por 21 alunos, 11 alemaes e 10 estrangeiros, alem de participantes que atendem a cursos especificos. O perfil e bastante variado, mas basicamente compreende gente de bancos centrais, universidades e organismos internacionais.

Por que a Alemanha?

"Por que a Alemanha?" Esta e uma pergunta que ouvi varias vezes. A resposta rapida e que escolhi o lugar pelo programa de que estou participando e pela bolsa que me ofereceram. Inevitavelmente, a segunda pergunta e "o que voce vai fazer la?". A segunda resposta rapida e estudar politica economica internacional. Mais detalhes a seguir.

Inicio

Comecar uma tarefa muitas vezes e tao dificil quanto executa-la. Talvez por isso nunca tenha pensado seriamente em escrever um blog, seja por falta de tempo ou disciplina. Existe desculpa para tudo.

Mas em outras ocasioes acabei me arrependendo por dois motivos. Primeiro, porque e bom poder registrar os fatos da vida. Mais importante e que acabei deixando de mandar noticias a familiares e amigos com a frequencia que gostaria. Espero que desta vez as coisas sejam um pouco diferentes (OBS: mas imagino que aqueles que me conhecem saberao entender se parar de escrever nas proximas semanas...)